Projeto sarampo AMPAI


A cidade de São Paulo passa, no momento, por um surto de sarampo. Entre os 633 casos registrados no Estado, 484 ocorreram na capital paulista. Há mais de 20 anos não havia um aumento de casos como ocorre agora.

As contra indicações são:

1. Para quem faz uso de corticoide;

2. Tratamento com imunossupressores;

3. Para quem faz tratamento para o câncer;

4. Pessoas com febre

5. Gestantes

6. Para quem tomou outra vacina, precisa dar um intervalo de 30 dias entre uma vacina e outra

7. Para quem tem alergia a ovo

A campanha de vacinação contra o sarampo vai até o dia 16 de agosto em 14 municípios do estado de São Paulo.

A vacinação está sendo oferecida em UBSs e postos volantes em estações do Metrô, CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo).

Segundo profissionais, a vacina contra o sarampo deve ser aplicada da seguinte maneira: duas doses em pessoas com idades entre 1 e 29 anos e uma dose em pessoas entre 30 e 59 anos.

Indivíduos com mais de 60 não precisam tomar a vacina, a não ser que estejam em uma área com caso confirmado da doença.

Dra. Ana Maria de Alencar | Dra Maria Jacyra Lopes - Diretoria Geral.

Dr. Giulio Cesare Lopes Ferriello - Diretor Clínico

Quais os benefícios de vacinar os meus funcionários?

  1. Melhora de produtividade;

  2. Diminuição do número de afastamentos;

  3. Redução de consultas médicas, gastos com medicamentos;

  4. Redução de plofiferação de doenças infecciosas transmitidas através de contato direto e indireto no ambiente de trabalho;

  5. Combate doenças diretamente relacionadas às condições do trabalho.

ATENÇÃO! Durante a Campanha de vacinação contra o sarampo que vai até 16/08/19, todos os jovens de 15 a 29 anos de idade devem receber a dose da vacina, independentemente da situação vacinal.

- O que é o sarampo?

É uma doença viral aguda, infectocontagiosa, altamente transmissível que pode apresentar complicações, principalmente em crianças e pessoas com imunidade comprometida.

- Como se dá o contágio do sarampo?

O contágio do sarampo acontece por meio de secreções respiratórias. Os indivíduos expostos podem adquirir a infecção através de gotículas veiculadas por tosse ou espirro, por via aérea. A pessoa pode transmitir a doença 6 dias antes de iniciar o exantema (manchas pelo corpo) até 4 dias depois. Despois do contato com alguém doente, a pessoa pode apresentar os sintomas em média após 10 dias (de 7 a 18 dias).

- Quais são os sintomas da doença?

Os sintomas que antecedem a doença têm geralmente duração de três a cinco dias e caracterizam-se por: febre, mal-estar, coriza, conjuntivite, tosse e falta de apetite.

Manchas vermelhas na pele iniciam-se na região atrás da orelha, espalhando-se para a face, pescoço, membros superiores, tronco e membros inferiores. A febre persiste com o aparecimento das manchas.

No terceiro dia, as manchas na pele tendem a diminuir e ir desaparecendo, apresentando também uma descamação fina. A febre também desaparece neste período. Caso a febre persista, este pode ser um sinal de complicação da doença. As crianças também podem apresentar quadros de diarreia.

- Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é clínico (médicos podem diagnosticar) e deve ser confirmado por exames de sangue.

- Quais são as complicações?

As complicações mais comuns são: otite média aguda; pneumonia bacteriana; laringite e laringotraqueíte; doenças cardíacas (miocardite, pericardite), entre outras. Há também uma complicação rara, tardia chamada panencefalite esclerosante subaguda, que acontece anos após a doença.

- Como é o tratamento?

O tratamento do sarampo é baseado em medicações que apenas amenizam os sintomas da doença. Podem ser utilizados antitérmicos, ser feita a hidratação oral, a terapia nutricional com incentivo ao aleitamento materno (em caso de crianças) e higiene adequada dos olhos, pele e vias aéreas superiores.

As complicações bacterianas do sarampo devem ser tratadas especificamente, com antibióticos adequados para cada quadro clínico.

- Como se prevenir?

A vacina contra o sarampo é eficaz em cerca de 97% dos casos. Deve ser aplicada em duas doses a partir de um ano de vida da criança. Os adultos que não foram vacinados e não tiveram a doença na infância também devem tomar a vacina. Contudo, a vacina é contraindicada para mulheres grávidas e indivíduos imunossuprimidos (com baixa atividade imunidade). Em caso de dúvidas, consulte sempre um profissional habilitado em sua Unidade Básica de Saúde ou nos postos de vacinação.

A Vacina

- Quando a vacina estará disponível nas unidades de saúde?

A vacina tríplice viral está disponível na rotina das unidades de saúde, não sendo necessário aguardar a Campanha para atualizar ou iniciar o esquema de vacinação.

- O que é a tríplice viral e quando deve ser tomada?

É a vacina para Sarampo, Caxumba e Rubéola. Deve ser tomada no seguinte esquema:

• Para todas as crianças de 12 meses a menores de sete anos (seis anos, 11 meses e 29 dias): devem tomar uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e a segunda dose aos 15 meses (tetra viral);

• Pessoas de sete a 29 anos que não foram vacinadas anteriormente: devem receber duas doses da vacina tríplice viral, com o intervalo mínimo de 30 dias entre elas;

• Pessoas de 29 até 59 anos de idade completos em 2019 (nascidos a partir de 1960) que não foram vacinados anteriormente: devem receber apenas uma dose da vacina tríplice viral;

Lembre-se: pessoas que já tiveram alguma dessas doenças também devem se vacinar, pois a vacina tríplice viral imuniza contra outras doenças.

- O que é a tetra viral e quando deve ser tomada?

É a vacina Sarampo, Caxumba, Rubéola + Varicela. Deve ser tomada a partir dos 15 meses de idade, apenas depois de ter recebido previamente uma dose de Tríplice Viral.

- Tenho mais de 59 anos, preciso tomar a vacina?

Não.

- Quem já foi vacinado (a) precisa tomar a vacina novamente?

Caso a pessoa apresente documentação (caderneta ou comprovante de vacinação) com esquema de vacinação de acordo com a idade, não há necessidade de revacinação.

- Pessoas entre 30 e 59 anos que não foram vacinadas ou não tomaram as duas doses da vacina, o que fazer?

As pessoas com idade entre 30 e 59 anos devem receber apenas uma dose da vacina tríplice viral.

- Pessoas que não tem certeza se já tomaram a vacina, o que fazer?

Em caso de dúvida é melhor procurar um posto de vacinação.

- Quem já teve a doença em algum momento da vida deve se vacinar?

A vacina protege contra três tipos de doença. Portanto quem não tomou a vacina, mesmo que já teve a doença deve se vacinar.

- Há alguma recomendação específica para profissionais da saúde?

Os profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, dentistas e outros) devem ter registradas duas doses válidas da vacina tríplice viral com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

- Posso engravidar após tomar a vacina?

As mulheres vacinadas deverão evitar a gravidez por pelo menos um mês após a última dose da vacinação.

- Qual grupo de pessoas não pode/precisa tomar a vacina?

A vacina tríplice vira não é recomendada para as gestantes, pessoas com doenças relativas à deficiência da imunidade e crianças menores de seis meses.

- Mulheres grávidas ou amamentando, podem tomar a vacina?

Mulheres que estão grávidas não devem tomar a vacina tríplice viral. Para as que amamentam não há contraindicação da vacina tríplice viral.

- Há reações à vacina?

Podem ocorrer reações à vacina, que são: febre, coriza e/ou tosse leve, exantema que pode ocorrer entre o 4º e 12º dia em 20% dos vacinados.

Fonte:https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/index.php?p=261046

Sede - Pinheiros

Rua Artur de Azevedo, 622

Jardim América - SP 

11 3064-7585

Unidade Sul - Shop. Interlagos

Avenida Interlagos, 2255

Interlagos - SP 

11 3471-9010  / 3471-9012

Unidade Leste - Shop. Aricanduva

Av. Aricanduva, 5555

Vila Matilde - SP 

11 3061-0910 / 3444-2321

Unidade Oeste - CEASA

Avenida Doutor Gastão Vidigal, 1946

Vila Leopoldina - SP 

11 3832-4049 / 3835-9576

  • LinkedIn da Ampai
  • Facebook da Ampai
  • Ampai no Instagram

AMPAI - Medicina e Segurança do Trabalho

ampai@ampai.com.br